terça-feira, 31 de maio de 2016

Trabalho apresentado no I SEFLUHISPI, na UFF de Campos.

O BISPO DOM ADRIANO HYPÓLITO E SUA AÇÃO POPULAR NA LIDERANÇA DA DIOCESE DE NOVA IGUAÇU E CONTRA A REPRESSÃO DOS MILITARES NO PERÍODO DA DITADURA  (1964-1985).
Peter Sana

Resumo Estendido

Durante a primeira metade do século XX, percebemos que a Igreja iguaçuana se afasta das classes mais pobres, priorizando a elite, que de certa forma contava com o aparato da Igreja no que tange às manobras manipulativas que mantinham as classes pobres em "ordem" enquanto garantiam que seus representantes do governo se estabelecessem garantindo, por retribuição, os seus privilégios. Com a chegada do bispo Dom Adriano Hypólito na diocese de Nova Iguaçu em 1966, muda a configuração da Igreja. Na busca de atingir a classe menos privilegiada da sociedade, de modo que busque o esclarecimento das leis, o estímulo à participação na política e à integração religiosa, o trabalho pedagógico/pastoral no bispado de Dom Adriano Hypólito trouxe ânimos aos trabalhadores e aproximou a Igreja da classe menos privilegiada. Um ideal nunca alcançado pela Igreja tradicional elitista, que trabalha com a classe dominante respectivamente e absolutamente.
Com a chegada do bispo Dom Adriano Hypólito na diocese de Nova Iguaçu em 1966, muda a configuração da Igreja. A mesma que no momento anterior subestimava a população mais pobre, fazendo-a assim submissa à sua vontade, isto  sem ouvir o que careciam e sem participar da vida social e política da população mais "empobrecida", como se refere o bispo em entrevista para Municípios do Brasil – A Revista dos Municípios” Edição especial de Nova Iguaçu 155 Anos. 1983.
Mediante a chegada do bispo, nova aproximação com as classes populares, marginalizadas, começou a acontecer, e com isso renasceu um sentimento de identificação com aquela Igreja que anteriormente inclinou-se a desamparar os fiéis.
Dadas as circunstâncias, ou seja, o cenário político transbordando em insatisfações e Atos Institucionais[1] que cercearam a liberdade do cidadão brasileiro, Dom Adriano iniciaria um trabalho que se denominou Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), estas que de certa forma contribuíram para a politização das classes populares pela dinâmica social. Este trabalho estará atrelado aos Movimentos de Amigos de Bairro (MABs), estes que permanecem, de uma forma mais controlada e menos vigorosa que em tal período estudado, em funcionamento até os dias atuais.

Palavras-chaves: Dom Adriano Hypólito; Baixada Fluminense; Teologia da Libertação





Bibliografia

DIOCESE DE NOVA IGUAÇU – “O povo de Deus Assume a Caminhada”, Editora Vozes, Elaborado pelo IDAC – 1983.

HYPÓLITO, Adriano Mandarino, Entrevista, In: revista Municípios do Brasil - A Revista dos Municípios, edição especial de Nova Iguaçu 155 anos, número, volume, local: editora, 1983.

ARENDT, Hannah. “Entre o Passado e o Futuro”, São Paulo: Perspectiva, 1992.

AZEREDO, L.M. “Padre João: Apóstolo de Bem em Nova Iguaçu”, Edição da Diocese de Nova Iguaçu, 1980.

BAFFA, Ayrton – “Nos Porões do SNI”. Rio de Janeiro, 1989 – Editora Objetiva.

 

Abstract

During the first half of the twentieth century, we realize that iguaçuana Church moves away from the poorest classes, prioritizing elite, which somehow had the apparatus of the Church in regard to the manipulative maneuvers that kept the poor classes in "order" while They ensured that their government representatives to settle by securing for retribution, their privileges. With the arrival of Bishop Adriano Hypólito in Nova Iguaçu diocese in 1966, changes the church setting. In seeking to achieve the less privileged class of society, so seek clarification of laws, encouraging participation in political and religious integration, pedagogical work / ministry in the diocese of Don Adriano Hypólito brought tempers to workers and approached the Church the less privileged class. An ideal never reached by traditional elitist Church, which works with the ruling class and absolutely respectively.

With the arrival of Bishop Adriano Hypólito in Nova Iguaçu diocese in 1966, changes the church setting. Same as the previous time underestimated the poorest people, making her so submissive to his will, not to listen to what they lacked and no part of social life and population policy more "impoverished" as referred to bishop in interview municipalities in Brazil - The Journal of the municipalities' special edition of Nova Iguaçu 155 Years. 1983.

Upon the arrival of Bishop, new approach with the popular classes, marginalized, began to happen, and it revived a sense of identification with that Church which previously has tended to forsake the faithful.

Given the circumstances, namely the political landscape overflowing with dissatisfaction and Institutional Acts that break freedom of Brazilian citizens, Archbishop Adriano begin a job that was called Basic Ecclesial Communities (BECs), those that somehow contributed to the politicization of popular classes by social dynamics. This work will be linked to Neighborhood Friends Movements (MAbs), those who remain in a more controlled and less vigorously than in this study period, running until today.

 

Keywords: Don Adriano Hypólito, Liberation Theology, Baixada Fluminense.
Bibliography

DIOCESE DE NOVA IGUAÇU – “O povo de Deus Assume a Caminhada”, Editora Vozes, Elaborado pelo IDAC – 1983.

HYPÓLITO, Adriano Mandarino, Entrevista, In: revista Municípios do Brasil - A Revista dos Municípios, edição especial de Nova Iguaçu 155 anos, número, volume, local: editora, 1983.

ARENDT, Hannah. “Entre o Passado e o Futuro”, São Paulo: Perspectiva, 1992.

AZEREDO, L.M. “Padre João: Apóstolo de Bem em Nova Iguaçu”, Edição da Diocese de Nova Iguaçu, 1980.

BAFFA, Ayrton – “Nos Porões do SNI”. Rio de Janeiro, 1989 – Editora Objetiva.






[1] Cf. BRANCO, Carlos Castelo. “Os Militares no Poder, Rio de Janeiro”: Nova Fronteira, 1977.

Nenhum comentário:

Postar um comentário